Museu Rubens Freire de Carvalho de Tourinho, o Museu do Bonfim, é reaberto ao público

Na Sala, fica exposto o órgão de tubos francês da Igreja. Datado de 1856, ele ficou parado por 40 anos, até ser restaurado no ano passado. Foto: Arisson Marinho/CORREIO

Museu Rubens Freire de Carvalho de Tourinho, Museu do Bonfim ou Museu dos Ex-Votos. Não importa como você o denomine. Chamá-lo só de Ex-Votos não diz tudo do museu. “Na verdade, ele possui ex-votos, mas é um misto de acervo de arte sacra, indumentária, esculturas, milagritos, alfaias, mobiliário, decorativa”, explica o Doutor em Comunicação e Cultura Contemporânea pela Universidade Federal da Bahia e Pós-doutorado em Comunicação e Tecnologias, pela Universidade do Minho (UMinho), de Portugal, José Cláudio Alves de Oliveira.

Desde o dia 16 de fevereiro o Museu Rubens Freire de Carvalho de Tourinho é mais uma atração para turistas e pessoas que moram em Salvador. É só subir a Colina Sagrada e visitar o museu, que funciona dentro da Basílica Santuário do Senhor do Bonfim, em Salvador. Além disso, o templo passa a ser a primeira igreja do Brasil a abrir sua torre para visitação pública. A Basílica Santuário Senhor do Bonfim, como informam as reportagens que você terá nos links ao final dessa postagem, é o símbolo maior da comunidade católica baiana.

De acordo com reportagem do G1, o Museu Rubens Freire de Carvalho de Tourinho oferece obras da Primeira Escola Bahiana de Pintura, que doou à igreja inúmeros artigos ao longo de três séculos.

Museóloga Genivalda Cândido

O museu, com mais de duas décadas, passou por um processo de requalificação conduzido pela museóloga e professora da Universidade Federal da Bahia, Genivalda Cândido da Silva, e pelo museólogo e especialista em arte sacra, Cássio Bêribá.

Segundo Genivalda, o trabalho envolveu uma triagem de todo o acervo, permitindo aos visitantes compreensão melhor das peças em exposição. O acervo é formado por objetos que representam graças alcançadas (pagamento de promessas/milagres), desobriga e doações de fiéis.

“São três ambientes: a sala dos milagres, o salão de artes sacras e as alfaias (paramentos litúrgicos). Além destes, a visita permite a aproximação do altar-mor e, a grande novidade, dá acesso à torre da igreja”, disse Genivalda Cândido.,

O juiz da Devoção do Senhor do Bonfim, Francisco Pitanga, afirma que a Basílica Santuário é o primeiro templo do Brasil a abrir sua torre para visitação. “A igreja do Bonfim já é referência do turismo religioso no País e o principal templo da Bahia. O objetivo é fazer com que o museu seja referência de visitas e pesquisas. É cobrada uma taxa de R$ 5 que ajuda aos projetos sociais, como o Bom Samaritano e outros que trabalham com pessoas carentes”.

Entrevista do CORREIO com a  Mestra em Museologia pela Universidade Federal da Bahia Genivalda Cândido.

10 motivos para visitar o Museu Rubens Freire de Carvalho de Tourinho:

  1. A representatividade dos ex-votos para a basílica – A própria Igreja do Bonfim é um ex-voto. Sua construção, finalizada em 1754, é resultado de uma graça alcançada pelo capitão de mar e guerra da marinha portuguesa Theodózio Rodrigues de Faria, que prometeu durante uma tempestade que se sobrevivesse traria ao Brasil as imagens de Nossa Senhora da Guia e do Senhor do Bonfim. 

  2. A torre direita da Igreja do Bonfim – Nunca antes aberta ao público, o interior da torre da basílica de 1754, oferece uma vista privilegiada da cidade. Das janelas, dá para ver a cidade de diversos pontos. 

  3. Vista da Sala do Coro – Com a ampliação do museu, é possível chegar até o limite da Sala do Coro da Igreja. De lá, além de ver o espaço reservado aos cânticos solenes, é possível enxergar a Igreja do Bonfim do alto, dando uma nova perspectiva da nave ao visitante.

  4. Telas dos “Riscadores de Milagres” – Tradicionalmente buscados pelos católicos brasileiros, são desenhos encomendados para pagar promessas. Na Bahia, os autores destas obras de arte não existem desde a década de 80 e o costume está quase em extinção Brasil afora. A tradição do oferecimento de quadros foi sendo substituída por outras ofertas, como a de fotos, peças em cera e outros exemplares.

  5. Milagritos – São ex-votos em miniatura. Feitos em diversos tipos de metal, como ouro, prata e bronze, os expostos do Museu Rubens Freire de Carvalho de Tourinho são representações de órgãos humanos. Confeccionados artesanalmente, os milagritos são ricos em detalhes.

  6. Primeiros ex-votos – Os primeiros ex-votos eram feitos de madeira. Em exibição no Museu estão peças recentes deste estilo, como um braço de 2014, assim como o primeiro ex-voto recebido pela Igreja, uma Escultura do Escravo Amaro, que foi doada junto com o homem como pagamento de uma promessa.

  7. Pedaço de jornal – Um dos ex-votos mais curiosos está em formato de notícia de jornal, uma oferta de uma mãe agradecida. Datado do ano de 2017, tem o nome de “Ressurreição do filho da viúva de Naim o texto emoldurado conta a história de um rapaz que estava em um acidente de trem na Estrada do Timbó, no trecho entre as cidades de Esplanada e Alagoinhas. 

  8. Alfaias – Paramentos de tecido usados nas celebrações litúrgicas. No Museu dos Ex-Votos estão expostas vestes usadas pelos padres nas missas. Únicos conjuntos completos no Acervo da Basílica, o par de alfaias é composto de cinco peças cada e datam da década de 20. 

  9. Quadros de canto – Téofilo de Jesus, que assina como pintor e inventor, é o responsável por peças peculiares do acervo: três quadros de canto. As telas foram projetadas para serem colocadas na esquina entre duas paredes. Em Salvador, o Museu Rubens Freire de Carvalho de Tourinho, é o único a ter obras deste tipo.

  10. História da Arte – Na sala 2, antiga Sala das Alfaias, estão expostas telas da primeira Escola Baiana de Pintura (do séc XVII e XIX). Entre os quadros em exibição estão os nomes de três famosos artistas na Bahia, José Joaquim da Rocha, fundador da Escola, Franco Velasco, autor das cenas nos tetos da Igreja do Bonfim e de Nossa Senhora Sant’Ana, e Teófilo de Jesus. 

 Clique nos links e veja outras reportagens sobre o assunto:

http://atarde.uol.com.br/cultura/noticias/1935803-museu-do-bonfim-ganhara-novo-formato-apos-revitalizacao

http://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/apos-seculos-igreja-do-bonfim-abre-visitacao-a-torre-nesta-sexta/

http://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/apos-seculos-igreja-do-bonfim-abre-visitacao-a-torre-nesta-sexta/

http://g1.globo.com/bahia/jornal-da-manha/videos/t/edicoes/v/museu-da-fe-igreja-do-bonfim-abre-uma-das-torres-para-visitacao/6507312/

https://www.nucleodepesquisadosex-votos.org/notiacutecias.html

2 pensamentos sobre “Museu Rubens Freire de Carvalho de Tourinho, o Museu do Bonfim, é reaberto ao público

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s