O blaxploitation nos trabalhos de Pedro Souza

Você sabe o que é blaxploitation?

Provavelmente, poucos sabem, mas se trata de um movimento cinematográfico norte-americano que surgiu no início da década de 1970. Os filmes tinham como público principal os negros dos Estados Unidos. A expressão é uma junção de black (negro) e explotaition (exploração).

De acordo com o site Tudo sobre seu Filme, as obras cinematográficas tinham características próprias, eram dirigidas e interpretadas por atores negros, com trilhas sonoras sofisticadas, compostas por alguns dos maiores artistas da época, e uma série de ícones culturais.

Os filmes blaxploitation geralmente têm um herói ou heroína afro americano que atua à margem das instituições e da lei. Para vencer suas batalhas, o herói blax jamais recorre à polícia ou a qualquer outro aparelho governamental, mas sim a grupos de ativistas negros, como o grupo Panteras Negras.

A origem do blaxploitation está nos acontecimentos que transformaram a vida dos afro americanos no Século XX, como o grande movimento migratório dos negros do sul segregacionista para os centros urbanos do norte, que também viviam em clima de segregação, porém, mais velado. A partir daí surgiram as grandes comunidades negras, mais tarde transformadas nos guetos retratados pelos criadores do cinema blaxploitation. O resultado desse êxodo foi o aparecimento da música antes do cinema negro. A indústria musical, cujo principal produto, o disco, requer gastos de produção bem menores que os de um filme, saiu na frente e registrou com sucesso as vozes negras desde o início. O blues e o jazz se tornaram rapidamente o esteio da indústria fonográfica norte-americana.

A presença das vozes afro americanas nas rádios e nos aparelhos de reprodução de discos pelo mundo afora mostrou a capacidade dos artistas negros de ocupar grandes espaços na cultura industrial, mas a indústria cinematográfica decidiu, com pequenas exceções, ignorar a experiência social e o talento dos artistas negros durante cerca de 50 anos.

Veja lista de filmes e outras informações, clicando aqui.

Bom, toda essa introdução foi para falar que o designer Pedro Souza bebe e sorve nessa fonte para fazer alguns dos seus trabalhos conceituais, como este do Malcom X.

Sucesso, Pedro Souza!

Abaixo, um pôster dos Panteras Negras, segundo Pedro Souza dentro da mesma ideia das ilustrações blaxploitation que eu tenho feito, mas usando técnicas de foto-montagem. E um artigo sobre os Panteras Negras e sobre o personagem Pantera Negra, de autoria do historiador e seu amigo Sávio Queiroz Lima.

A arte de Pedro Souza é engajada. Agora, em seu mais recente trabalho, ele explica a forma para relembrar a chamada e tristemente conhecida Chacina do Cabula.

“Como sempre, eu pego um referência pra fazer meus trabalhos, dessa vez eu dei uma pesquisada no construtivismo russo, gosto do estilo. E fiz o cartaz. Em 17 de janeiro fez 3 anos da Chacina do Cabula, é importante não nos esquecermos disso”, afirma Pedro Souza.

Indignado, ele considera que o governo estadual da Bahia e o Poder Judiciário não  deram a indevida importância ao assunto. “Se nós, cidadãos comuns, esquecermos disso, os assassinatos caem na vala comum dos genocídios”, enfatiza.

Contatos com Pedro Souza:

Links dos portfólios:

Portfólio de peças de comunicação:

https://pedrojobsouza.wixsite.com/5portf-jobs

Portfólio de ilustrações: 

https://pedrojobsouza.wixsite.com/ilustra

Portfólio de Branding:

https://www.behance.net/pedrofilhob3b5

Atenciosamente, Pedro Filho.

Contato Whatsapp: 71 996192549

2 pensamentos sobre “O blaxploitation nos trabalhos de Pedro Souza

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s