Massacre israelense contra palestinos: EUA enviam toneladas de armas destruidoras para Israel

Judeus fogem de nazistas no gueto de Varsóvia em 1940
Judeus fogem de nazistas no gueto de Varsóvia em 1940
  
Palestinos fogem de  judeus na Faixa de Gaza em 2014
Palestinos fogem de judeus na Faixa de Gaza em 2014
O governo do povo que sofreu o inimaginável na 2ª Guerra   Mundial faz misérias na Faixa de Gaza. Desta vez, o massacre praticado pelas forças israelenses  é tão absurdo que até a mídia ocidental sentiu o dever de mostrar a realidade ao público.  O belicismo de Israel é histórico, a crueldade não é novidade também, como não é a hipocrisia norte-americana, que discursa pela paz e envia toneladas de armas destruidoras para os israelenses. Acompanhe as mais recentes notícias:

Alta comissária da ONU critica EUA por armar Israel e não contribuir para a paz

O porta-voz do Pentágono, o contra-almirante John Kirby, confirmou na quarta-feira as informações sobre o envio a Israel de mais material de guerra dos EUA.
UOL e Em Genebra
31/07/201408h39 > Atualizada 31/07/201410h23
 A alta comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Navi Pillay, denunciou nesta quinta-feira (31) os Estados Unidos por proporcionar armamento ao Exército israelense e não fazer o suficiente para deter a ofensiva contra a Faixa de Gaza.
“Os Estados Unidos têm influência sobre Israel e deveriam fazer mais para parar as mortes, para que as partes em conflito dialoguem”, disse Pillay em entrevista coletiva, na qual falou da ajuda financeira e a entrega de armas dos EUA a Israel.
30.jul.2014 – O palestino Ismail Radwan, 45, inspeciona os danos do apartamento da família causados pela queda de uma das torres da mesquita Al-Sousi, que foi destruída em um ataque israelense, no campo de refugiados de Shati, no norte da faixa de Gaza. Aviões israelenses bombardearam diversos pontos em Gaza, incluindo cinco mesquitas que estavam sendo usados por militantes, enquanto outras áreas foram atingidas por ataques terrestres Lefteris Pitarakis/AP

 

Arte/UOL

Mapa mostra localização de Israel, Cisjordânia e Gaza

 

O porta-voz do Pentágono, o contra-almirante John Kirby, confirmou na quarta-feira as informações sobre o envio a Israel de mais material de guerra dos EUA a pedido das Forças de Defesa israelenses.
A venda de munição é estabelecida para casos de emergência no chamado Inventário de Reservas de Munição de Guerra de Israel, que permite aos israelenses dispor de armamento de maneira urgente.
Entre esse material há partes necessárias para lança-granadas e peças de morteiro de 120 milímetros, como o que provocou ontem a morte de 19 pessoas refugiadas em uma escola das Nações Unidas.
30.jul.2014 – Estudantes protestam contra os ataques israelenses na faixa de Gaza, nesta quarta-feira (30), próximo da embaixada de Israel, na Coreia do Sul Lee Jin-man/AP
Pillay informou sobre esta entrega de munição e sobre a ajuda que os EUA prestam a Israel para manter em funcionamento o sistema antifoguetes israelense “Cúpula de Ferro”, que protege o território israelense dos foguetes lançados a partir da Faixa de Gaza.
“Os Estados Unidos não só fornecem a Israel artilharia pesada usada em Gaza, mas gastou quase US$ 1 bilhão para proteger o país contra os foguetes palestinos. Uma proteção que os civis de Gaza não têm”, denunciou Pillay.
A alta comissária insistiu no fato de que os EUA não só ajudem incondicionalmente Israel em tempos de guerra, mas também o faça em tempos de paz, nos quais no entanto Tel Aviv continua violando a lei internacional expandindo seus assentamentos e mantendo um bloqueio à Faixa de Gaza, que é ilegal.
“Os Estados Unidos também deveriam fazer mais para acabar com o bloqueio aos territórios ocupados. Deveria fazer mais para acabar com os assentamentos. Lembremos que os Estados Unidos votam contra, tanto no Conselho de Direitos Humanos como no Conselho de Segurança, todas as resoluções que condenam o bloqueio e os assentamentos”.

 

30.jul.2014 – Criança palestina ferida em ataque israelense a uma escola da ONU em Beit Lahia, no norte da faixa de Gaza, recebe tratamento no hospital Kamal Edwan, em Beit Lahia, na manhã desta quarta-feira (30). Um bombardeio de Israel sobre uma escola da agência da ONU para refugiados palestinos deixou entre 15 e 20 mortos, a maioria civis. Trata-se do segundo ataque a escolas da entidade, usadas como abrigo de refugiados. Israel nega o primeiro ataque Leia mais Mohammed Abed/AFP

Crimes de guerra

 Crianças mortas enquanto dormiam

Pillay se referiu às dezenas de resoluções, relatórios de relatores especiais e conclusões de comissões de investigação internacional nas quais são identificadas flagrantes violações dos direitos humanos e da lei internacional por parte de Israel.
“Parece que há um desafio deliberado de Israel a não cumprir com suas obrigações internacionais. Não deveríamos permitir este tipo de impunidade. Não deveríamos permitir que não se averiguem nem se persigam flagrantes violações”, opinou Pillay.
A comissária da ONU lamentou que Israel não tenha estabelecido nenhum mecanismo de prestação de contas e lembrou que onde o sistema interno falha tem que ser aplicado o internacional.
Pilay também acusou Hamas de cometer crimes de guerra ao colocar e disparar foguetes de dentro de uma área altamente povoada. 
A representante da ONU assinalou que, segundo os últimos dados com os quais conta, desde que começou a ofensiva morreram 1.263 palestinos e 59 israelenses.

6 pensamentos sobre “Massacre israelense contra palestinos: EUA enviam toneladas de armas destruidoras para Israel

  1. Bomfa:

    Não há palavras para descrever este horror que toma conta dos palestinos. E como sempre os Estados Unidos dá uma mau exemplo ao mundo! Eta mundo terrível!
    Abs,

  2. Pingback: …big Brown: ‘matança infinita! __ | falandonalata1

  3. É lamentável o que estamos vivenciando no atual século. A terceira revolução tecnocientífica , como ja era de se imaginar, não só potencializou o desenvolvimento de aparelhos super inovadores e sofisticados, como também o poderio bélico . Israel historicamente é um dos mais bem preparados estados no que diz respeito a armamento e estratégia de guerra. Já não bastasse esse histórico, recebe auxilio – e que auxílio!- da maior potência mundial, que já venceu duas grandes guerras e tem formas de defesa (quanto de ataque) surreais . A disparidade é absurda, e quem é que mais sofre com isso? os palestinos? talvez o mundo como um todo, que sofre com essa situação caótica e sem previsão de fim .
    A colocação que Israel fez acerca da nosso país em questões diplomáticas reflete nosso real momento como um todo: um anão! Anão em um meio repleto de gigantes em todos os âmbitos , deixando nossas “deficiências” ainda mais exacerbadas , quando estamos frente a elas . Futebol, vôlei, questões diplomáticas …. um ano repleto de vergonha, e , infelizmente, de perdas importantes no cenário cultural .
    Ao menos os brasileiros têm agora a chance de mudar o curso do “jogo” que já está em andamento: as eleições.É aceitar um novo baque, se conformar com as injustiças, ou transformar, e quem sabe começar uma nova era pra este país.

  4. E ainda tem quem chame isso de guerra e defenda o indefensável… O massacre que o governo israelense vem protagonizando contra os palestinos em Gaza é uma atrocidade tão escancarada, que basta comparar o saldo de mortes: já são mais de 1300 palestinos, sendo 80% civis (centenas de crianças, mulheres, idosos), contra 53 israelenses, com o detalhe que desses 50 são militares e, portanto, estão na chuva pra se molhar. O mundo precisa reagir contra isso

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s