Todos contra o tráfico de pessoas

O tráfico de pessoas é muito mais sério do que se pensa. Isto é evidenciado no blog TODOS CONTRA O TRÁFICO DE PESSOAS – você pode ler mais abaixo, após a entrevista – que faz um trabalho admirável no sentido de denunciar esse crime.
Na Bahia, a socióloga Marlene Vaz, há muito tempo chama a atenção das autoridades para o problema, que agora tornou-se mais visível em consequência do tema ser tratado em uma novela televisiva de grande audiência.
Veja a entrevista que Marlene Vaz concedeu ao Jornal da Manhã da TV Globo (clique aqui ou na imagem):

Marlene Vaz - entrevista no Jornal da Manhã sobre tráfico de pessoas

E veja o blog TODOS CONTRA O TRÁFICO DE PESSOAS:
Máfia do sexo mata 20 brasileiras por ano

Publicado sexta-feira, 22 Março 2013 09:41

Máfia mata 20 mulheres por ano
Autor(es): Renato Alves
Correio Braziliense – 18/03/2013

 

No país, as goianas são as mais visadas pelos aliciadores europeus.
Calcula-se que até 3 mil mulheres do estado estejam vendendo o corpo em países como Espanha, Portugal, Suíça e Bélgica.
Atraídas por falsas promessas, muitas encontram a escravidão e a violência
Em média, duas dezenas de brasileiras são assassinadas no exterior anualmente em consequência da exploração sexual. As nascidas em Goiás são as maiores vítimas, mas a crise econômica na Europa vem diminuindo os casos de violência»
Contada na edição de ontem do Correio, a história de Letícia Peres Mourão é incomum, porque foi um dos raros casos de mulher escravizada na Europa que teve a coragem denunciar seus agressores. No entanto, muitas brasileiras tiveram um fim trágico como o dela. Aos 31 anos, Letícia morreu com um tiro na cabeça, no Guará, em 2008. Tantas outras foram assassinadas sem sequer conseguir voltar à terra natal. Goianas, como ela, são as maiores vítimas das máfias da prostituição internacional.
Em média, 20 brasileiras são assassinadas anualmente no exterior em consequência da exploração sexual. Somente em 2012, sete goianas fizeram parte dessa estatística. E foi o ano com o menor número de vítimas no século. O estado já chegou a perder 20 cidadãs assassinadas por conta da atividade em um ano. Outras 18 desapareceram a cada 12 meses, em média. Os números são da Secretaria de Assuntos Internacionais do Governo de Goiás, órgão encarregado de dar assistência aos goianos no exterior e as suas famílias no Brasil.
O órgão estima que haja de 2,5 mil a 3 mil goianas vivendo da prostituição na Europa, de forma voluntária ou forçada. A Espanha, onde Letícia viveu sob o regime de escravidão, é o principal destino das prostitutas goianas desde os anos de 1990. As organizações criminosas espanholas e portuguesas se concentram nos estados do Centro-Oeste, segundo investigações da Polícia Federal.
Brasília entrou na rota do tráfico internacional de seres humanos, servindo de porta de saída de prostitutas para a Europa. Desde que o Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek consolidou o oferecimento de voos regulares para Lisboa, as goianas, principal alvo dos aliciadores, usam o terminal candango como ponto de partida para o comércio do corpo em cidades de Portugal, Espanha, Bélgica e Suíça. No entanto, a quantidade de goianas se prostituindo no exterior e de vítimas de tráfico de pessoas vem caindo com a crise econômica que assola o velho continente.
PREÇOS EM QUEDA
Fundador e chefe da Secretaria de Assuntos Internacionais do Governo de Goiás, Elie Chidiac diz que levantamento realizado pela entidade revelou que já houve 4,5 mil mulheres nascidas em Goiás vivendo da venda do corpo fora do país, desde 2004. “Hoje, o número representa menos de 1% dos goianos que vivem fora do país, pois eles são 350 mil”, ressalta Chidiac. “A quantidade caiu por causa da crise econômica e porque ficou mais barato para as máfias traficar pessoas do leste europeu, pois os preços das passagens são menores”, conclui.
Chidiac esteve na Europa em 2010, com funcionários da sua secretaria, do Ministério das Relações Exteriores, da Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) e do Ministério da Justiça. Durante duas semanas, os representantes brasileiros estiveram em Holanda, Suíça, Portugal e Espanha. Conversaram com autoridades locais e brasileiras prostitutas. “Há uma briga por mercado entre brasileiras e mulheres do leste europeu. Brasileira que cobrava até 200 euros por programa, agora pede 35 euros, devido à concorrência”, conta Chidiac.

9 pensamentos sobre “Todos contra o tráfico de pessoas

  1. Marlene é uma profissional que em um país que valoriza seus estudiosos, pesquisadores e intelectuais estaria consagrada. Seu trabalho é excelente.

  2. Muito boa a postagem. Precisamos de mais informações assim, com fontes de credibilidade como a Dra. Marlene Vaz. Só assim, no mundo inteiro, poderemos combater esse crime terrível.

  3. Esse tipo de crime – e outros tão terríveis quanto este – só começa a cair quando os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário criarem coragem para combatê-lo severamente. Parabéns à Dra. Marlene pelo belo trabalho que faz.

  4. País que se preza declara guerra a criminosos que praticam esse tipo de crime. No Brasil, a lei penal para esse tipo de crime é muito branda.

  5. É brilhante a luta da socióloga Marlene Vaz. É uma mulher que representa um exemplo a ser seguido por todas nós.

  6. Parabéns pela matéria, Brown!
    Assisti essa reportagem e gostei muito. Marlene Vaz é uma grande pesquisadora, seus trabalhos são sérios e informativos.
    Abraços,

  7. Bomfa:

    Excelente tema para ser abordado em um blog tão informativo como o seu!! Parabéns amigo!! O tema é antigo, lembro de uma vez quando estive entrevistando uma pessoa do NEIM e ela já me dizia que a rota para a Suiça era muito visada. Tinha histórias incríveis!!
    Valeu amigo pela escolha, abordagem e principalmente pela escolha da fonte, Marlene Vaz, que realiza um trabalho de pesquisa tão sério, não é mesmo? E você repercutiu!! Belo trabalho!! Aliás de um profissional como você que tive a honra de trabalhar nos bons tempos do IRDEB, a gente só pode esperar por isso.
    Abs,
    Leiloca.

  8. Pingback: Figueiredo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s