TV Globo acaba com o movimento grevista dos policiais militares

O governador chamou o bispo, mas quem resolveu mesmo tirar os grevistas do prédio da Assembleia Legislativa foi a TV Globo.

Ao exibir no Jornal Nacional de quarta-feira, 8 de novembro, trechos de conversas telefônicas entre o líder da greve (Marco Prisco) e outro policial a emissora dos Marinho quebrou o movimento. E, mais adiante, completou o serviço desmoralizando as reivindicações ao mostrar trechos de conversas de líderes policiais da Bahia com líderes de movimento semelhante do Rio de Janeiro.

A TV Globo deu a entender que as greves dos PMs (Bahia, Espírito Santo, Santa Catarina, Minas Gerais, São Paulo e Ceará)  foram articuladas com o intuito de forçar os governos a atenderem todas suas reivindicações, inclusive a aprovação pelo Congresso Nacional da PEC-300 (um projeto que cria o piso salarial único para bombeiros e policiais militares).

Não se pode negar que o governador Jaques Wagner foi habilidoso em buscar apoio de quem de fato manda nesse país. A Globo e o Judiciário – que autorizou rapidamente as escutas telefônicas, ao contrário do que faz quando a PF investiga grandes empresários. Além disso, seu governo conta com a simpatia de um grande número de programas em Salvador – na TV, no rádio e na internet – que dependem da publicidade governamental e seguem a cartilha oficial.

Quem era contra a greve ficou aliviado, embora a greve ainda não tenha sido, até esse momento encerrada.

Toda essa movimentação mostrou que a esquerda está dividida e tem hoje uma direita – principalmente nos partidos que ainda se adjetivam comunistas – mais fielmente canina ao governador do que a tropa que seguia com viseira o ACM dos anos 80.

A direita da esquerda atual não pensa, não questiona, não critica, apenas segue. E curte.

Alguns anos vão se passar até que a verdade venha mesmo à tona. Havia algo por trás do movimento? A TV Globo e o governo só queriam mesmo salvar o carnaval?

Em 2001, a greve foi uma baderna. Em 2012, também. Só o que mudou de lá para cá foram os posicionamentos de políticos (alguns deles hoje no poder sempre compareceram às “ocupações” de categorias em greve na Assembleia Legislativa e achavam que tudo era legítimo) e dos séquitos. O séquito que segue o governo hoje aplaudiu os militares grevistas em 2001.

Artistas, turistas, foliões, empresários, políticos, donos de programas e de emissoras estão felizes: o carnaval será realizado, todos ganharão dinheiro e esquecerão rapidamente os ônibus queimados; os assaltos; as dezenas de assassinatos; o medo.

Tudo sobre a greve. Veja como foi. E a ação da Globo.

Comentário do jornalista Bob Fernandes

Site dos policiais

O então deputado Jaques Wagner solidariza-se com os “conterrâneos” da PM

Carta Capital

Jornalista insinua que foi demitido da TV Aratu por pressões do governo

 General chorou ao cortar bolo que ganhou de grevistas


6 comentários sobre “TV Globo acaba com o movimento grevista dos policiais militares

  1. “De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto”.
    (Senado Federal, RJ. Obras Completas, Rui Barbosa. v. 41, t. 3, 1914, p. 86)

    Curtir

  2. Às vezes eu acho que só os hipócritas, cínicos e canalhas são felizes, pois os mesmos não têm compromissos com a dignidade, verdade e honra.

    Curtir

  3. Pão e circo e greve de pm’s e civis, de todos os anos próximo ao carnaval. Mas este ano eles exageraram um ‘pouquinho’.
    Abs,

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s