Esse Supremo… STF cassa poder do CNJ de investigar juízes

A corregedora nacional de Justiça, Eliana Calmon, tomou um susto na segunda-feira, 19 de dezembro. Mas o susto foi mesmo da Nação, ou pelo menos da população brasileira que ainda tem esperança em justiça por meio das instituições criadas com essa finalidade.
Por que o susto? Bem, para quem ainda não soube ou para quem ainda não saiu do transe da surpresa, vai a explicação: em decisão tomada na última sessão deste ano do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Marco Aurélio Mello reduziu os poderes de investigação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), órgão de controle do Judiciário.
Com essa decisão, agora, em questões disciplinares, o CNJ não poderá tomar a iniciativa de fiscalizar, investigar ou punir juízes antes que os tribunais em que eles atuam nos Estados tomem a iniciativa.
A decisão do ministro Marco Aurélio Mello, que tem caráter liminar, precisa ser referendada pelo plenário do STF em fevereiro, depois do recesso do Judiciário.
Ao justificar a decisão, Marco Aurélio Mello alegou que o conselho não tem poderes para “atropelar o autogoverno dos tribunais”.
A corregedora disse ter ficado surpreendida com a decisão, mas não vai se manifestar até a decisão do plenário do STF.
A liminar de Marco Aurélio foi concedida em resposta a uma ação movida pela AMB (Associação dos Magistrados Brasileiros) contra uma resolução do CNJ que uniformiza procedimentos adotados para punir juízes. Em sua decisão, Marco Aurélio disse que o CNJ não pode “atropelar o autogoverno dos tribunais” e que sua resolução vai além do que foi estabelecido pelo Congresso na Loman (Lei Orgânica da Magistratura Nacional).
Será que a Nação brasileira merece um Supremo que trabalha contra a justiça? Na Lei da Ficha Limpa o STF adiou a decisão e favoreceu bandoleiros conhecidos de todos. Recentemente facilitou a vida de Jáder Barbalho, que voltou ao Congresso. E tem mais:

Mensalão terá prescrição de penas, diz Lewandowski
Foi a manchete da semana passada, Réus do mensalão terão algumas de suas penas prescritas antes do fim do julgamento, ainda sem data para terminar, afirmou na terça-feira (13), o ministro Ricardo Lewandowski, do STF (Supremo Tribunal Federal), à esquerda na foto. Na direita, Cezar Peluso.
Confira outras ações da mais alta corte do Judiciário brasileiro:
http://www1.folha.uol.com.br/poder/poderepolitica/ricardo_lewandowski.shtml
http://veja.abril.com.br/multimidia/video/boa-noticia-para-os-mensaleiros
http://mazelasdojudiciario.blogspot.com/2011/12/poder-de-corregedoria-para-investigar.html
http://www.jornaldaimprensa.com.br/Editorias/15728/Nos-jornais:-poder-de-corregedoria-para-investigar-ju%C3%ADzes-%C3%A9-esvaziado
http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/nos-jornais-poder-de-corregedoria-para-investigar-juizes-e-esvaziado/
http://www.exkola.com.br/scripts/noticia.php?id=59216583

Um pensamento sobre “Esse Supremo… STF cassa poder do CNJ de investigar juízes

Deixe uma resposta para Nilton Amorim Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s