Invasão da UFBA pela PM faz 10 anos. Governador entrega comando ao major que executou a ação do Batalhão de Choque

E a “compaêrada” abraçou o coronel
No dia 16 de maio a invasão do prédio da Faculdade de Direito da Universidade Federal da Bahia (UFBA) completou dez anos. Triste aniversário. De domingo para cá, alguns veículos de comunicação entrevistaram vítimas daquele confronto que manchou a recente História da Bahia. Naquele dia de 2001 policiais militares, fora da lei, invadiram o prédio da faculdade e agrediram estudantes e professores (19 ficaram feridos) que protestavam pela cassação do então senador Antonio Carlos Magalhães.
A consequência de toda a confusão e agressões não gerou mais que um processo judicial, que resultou – acredite! – em uma multa de R$65,15 aplicada ao coronel Walter Leite, comandante da operação.
Era governador na época César Borges. Seu vice, também carlista de quatro costados, era Otto Alencar.
Nesses dez anos a ideologia e o sonho de muitos em tornar a Bahia livre de uma metodologia de governo que só fez mal ao Estado por décadas não existe mais. Primeiro, Lula assumiu a Presidência da República, depois Wagner assumiu o governo. E ambos cultivavam a ideia – que naquela época ninguém imaginava ser possível – de juntar no mesmo governo ex-adversários em lugar dos sonhadores.
Assim, o vice de César Borges é o vice de Wagner. E César Borges só não é senador do grupo petista porque não quis, apesar da insistência do governador Wagner em contar com ele preferiu Geddel e perdeu.
Coisa para deixar maluco quem se ausentou da Bahia por dez anos e retornou sem saber dos acontecimentos políticos.
Ao jornal A Tarde de domingo, 15 de maio, página B2,  Otto Alencar disse: “Considero um erro de César Borges ter atendido ao senador (Antonio Carlos Magalhães) ao dar a ordem de impedir o direito de ir e vir de estudantes em pleno regime democrático”. Na mesma reportagem consta que, por meio de sua secretária, César Borges respondeu ao jornal que não iria comentar a invasão.

Não satisfeito em acomodar velhos e novos adversários ao seu lado, o governador Jaques Wagner resolveu nomear comandante-geral da Polícia Militar o coronel Alfredo Castro (foto). Em 16 de maio de 2001, ele era major e executou a ação do Batalhão de Choque – do qual era comandante – na invasão da Faculdade de Direito da UFBA.
No documentário “Choque”, de Kau Rocha, o agora comandante-geral da PM do governo petista aparece agredindo um estudante. Procurada por A Tarde, na mesma reportagem citada acima, a PM enviou nota com suas explicações “o então major Alfredo Castro e sua tropa cumpriram as determinações do planejamento da ação policial.”
Os dez anos da invasão foram lembrados durante a segunda-feira, 16 de maio, na Faculdade de Direito, com mesas-redondas, exposição de fotos e lançamento de livro. O mais interessante é que a maioria dos participantes e boa de intelectuais e pseudo-intelectuais falam do assunto como se fosse algo abstrato. Não batem no governo, na criticam os equívocos e se sentem cumpridores do dever mantendo sua fúria em 2001 com ataques ao hoje defunto Antonio Carlos Magalhães, como se o governo da “compaêrada” não mantivesse em seu ninho de cobras os vilões de outrora.
Certos estão cidadãos como o Jheremmias, do Consulado Social que escreveu sabiamente em seu Twitter:
Tive o desprazer de ver vocês na cerimônia do novo comando da PM. Vocês que apanharam desse moleque de recados da força opressora da Bahia”.
“Tenho receio de vocês que hoje bajulam os opressores do passado. Tenho o desprazer de conviver com vocês”.
No excelente blog À Queima Roupa você vê mais detalhes sobre a covarde ação policial contra estudantes e professores naquele 16 de maio de 2001, já devidamente esquecido pelos petistas que abraçaram e deram afetuosos tapinhas no ombro do coronel Alfredo Castro.

13 pensamentos sobre “Invasão da UFBA pela PM faz 10 anos. Governador entrega comando ao major que executou a ação do Batalhão de Choque

  1. Pingback: Sandro Menezes

  2. Pingback: Degeneração petista é pior que o carlismo em Salvador « fernandoconceicao

  3. Essa perda de memória dos políticos é mesmo de estarrecer. Também não consigo me acostumar com o povo de João Leão, que tanto perseguiu os petistas de lauro de Freitas, com tanta moral no governo e na prefeitura.
    E quem sentiu no lombo a dor dos cacetetes da PM naquele episódio, então, não deveria esquecer mesmo.
    Quem foi mesmo que falou do belo texto? Quero assinar em baixo. beijos

  4. Belíssimo e corajoso seu artigo, JB. Parabéns!

    “Memória de um tempo, onde lutar por seus direitos, é um defeito que mata”.

    Abraço,

  5. É, eu estava lá, na condição de repórter… conferi toda a indignação petista sobre o caso e hoje tenho vontade de vomitar. Lastimável…
    Belo texto.

  6. é mole? por essas e outras que não entro em rebanhos, abomino cartilhas, luto para continuar um libertário, apesar de pagar um alto preço por isso. O sistema (gauche or droit)não me engole, eu vomito nele.
    um poema meu para elucidar:

    Cabrestos

    Adolescente,
    fugi do rebanho católico por causa do catecismo.
    Jovem,
    logo abandonei a militância por causa das cartilhas.
    Adulto,
    desatei os nós de todos os cabrestos que me puxavam.
    Idoso,
    sigo desgarrado e só, porém liberto.
    Feito criança, gatinhando solta
    à beira do precipício.

    **


    Desde menino procuro me achar
    mas até hoje não me encontro

    **

    (jul/2010.)

  7. É inacreditável a multa que o coronel Walter Leite pagou pelo comando da operação de invasão da UFBA. Só mesmo nesse nosso Brasil!

  8. Que lindo ver ernesto marques lidice, moema ,alice, luis alberto, ravier , todos juntos com oto e cesar borges, paulo magalhaes pai e filho, todos juntos, mario kertsz, o governador e muitos outros, todos se confraternizando.

  9. Muito bom o texto. Se uma função do jornalismo é escrever a história, taí o Blog do Brown fazendo lembrar o que não pode ser esquecido. Mostrando os que lá gritaram e hoje se calam. Os vídeos mostram a violência, os sonhos, a truculência. Políticos e professores/advogados de peso e representatividade na sociedade baiana que hoje já não estão assim tão indginados.
    Também vi colegas. E vi Gerson, que já se foi.
    Beijos, meu bem. Muito bonito o seu trabalho.

  10. Pingback: falandonalata1

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s