Israel deporta ativistas após reação mundial

Ativista mostra mensagem de ‘libertem Gaza’ ao ser retirado da prisão israelense de Beersheva nesta quarta-feira. (Foto: AP)

Por Jeffrey Heller
JERUSALÉM (Reuters) – Israel pretende completar nesta quarta-feira a deportação de todos os ativistas detidos na abordagem a uma frota que pretendia levar mantimentos à Faixa de Gaza, e reiterou sua intenção de conter qualquer outra embarcação que tente furar o bloqueio à região.
Em meio ao ultraje internacional pela morte de nove ativistas no incidente marítimo, o ministro israelense da Defesa, Ehud Barak, visitou soldados envolvidos na ação e disse a eles: “Vim em nome do governo israelense dizer obrigado.”
Israel alega que seus soldados agiram em legítima defesa, por terem sido agredidos com canos e facas pelos ativistas quando desciam de helicóptero no navio turco Mavi Marmara, na madrugada de segunda-feira.
A frota de ativistas tentava furar o bloqueio que Israel impõe aos 1,5 milhão de habitantes da Faixa de Gaza, o que é uma forma de pressão contra o governo do grupo islâmico Hamas.
Israel inicialmente ameaçou processar alguns ativistas, mas depois anunciou a expulsão de todos os 682 ativistas de mais de 35 países, que estavam a bordo dos seis navios da frota.
Até as 12h de quarta-feira (hora local; 6h em Brasília), cerca de 200 ativistas tinham sido transferidos de um centro de detenção para o aeroporto Ben-Gurion, nos arredores de Tel Aviv, segundo um porta-voz carcerário. Outros 123 foram levados por terra para a Jordânia.
Os ativistas restantes devem ser liberados ao longo do dia, segundo esse porta-voz. Todos são mantidos incomunicáveis pelas autoridades israelenses.
Apesar de analistas terem apontado falhas táticas na operação, Barak elogiou a atuação dos soldados sob circunstâncias tão complicadas.
Com aval dos EUA, o Conselho de Segurança da ONU pediu uma investigação imparcial das mortes na frota humanitária, cujas embarcações e ativistas eram majoritariamente turcos.
Especula-se em Israel que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu irá nomear uma comissão judicial para determinar se os militares erraram ao não levarem em conta a resistência que os ativistas ofereceriam no Mavi Marmara.
Israel afirma ter libertado todos os ativistas do barco de ajuda a Gaza
Militantes já deixaram a prisão israelense de Beersheva.
Eles serão deportados para seus países de origem.

Manifestantes aguardam chegada de ativistas sírios em Daraa, próximo à fronteira com a Jordânia. (Foto: AP)

Prepotência inaceitável de Israel
Plínio Arruda Sampaio
Novamente o governo de Israel dá uma demonstração de prepotência e desrespeito aos direitos humanos. E a vitima dessa violência não são apenas o Estado palestino e o povo de Gaza. Todos nós somos atingidos porque o ato criminoso afeta seriamente um direito que é de todos: o direito internacional.
O bombardeio do navio que levava alimentos e remédios para a população palestina sitiada na faixa de Gaza constitui uma violência que não pode deixar de receber a mais veemente repulsa da opinião pública mundial. Sem essa pressão, dificilmente a ONU conseguirá vencer a resistência dos Estados Unidos contra qualquer tipo de sanção ao seu aliado no Oriente Médio.
São tantas as violações do direito internacional cometidas pelo governo de Israel que corremos o risco de torná-las “acontecimentos banais”, aceitas como algo irremediável. Precisamos reagir contra essa tendência. Cada violação precisa ser repudiada com a mesma veemência da primeira e cada vez mais precisamos encontrar formas mais eficazes para combatê-las.
Nós, aqui no Brasil, precisaríamos pressionar o governo brasileiro para suspender as relações diplomáticas com o Estado de Israel até que a comunidade internacional imponha sanções efetivas ao governo desse país.
O meio de realizar essa pressão é o de sempre: o abaixo-assinado e a mobilização social. Estou levando a proposta à bancada federal do PSOL, a fim de que ela tome a iniciativa de provocar o Congresso e o Executivo. Mas não deve ser uma iniciativa partidária somente. Nossa bancada terá a delicadeza de não disputar nenhum hegemonismo no esforço que deve ser comum. Todos os partidos estão convocados.
Outra iniciativa importante é o boicote de produtos de Israel. Nos Estados Unidos, esse tipo de protesto costuma ser muito utilizado por demonstrar muita eficácia.
Outras possibilidades podem ser aventadas. Não podemos descartar nenhuma delas. O que não podemos é limitar-nos a um protesto formal cujo pouco efeito conhecemos.

Alguns dos ativistas retornando para seus países

Um pensamento sobre “Israel deporta ativistas após reação mundial

  1. O mais importante é que haja uma investigação imparcial e que mais uma vez a violência imposta pelo governo Israelita, não passe em branco. A arrogância do governo de Israel é do tamanho de sua impunidade em seus atos de violência.

    Curtir

Deixe uma resposta para Nilton Amorim Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s