O crime contra os professores de Porto Seguro não vai ficar impune

O título acima, cheio de esperança, se baseia na ação da Polícia e do Ministério Público da Bahia. A investigação foi pra valer, o que deixa a parte do povo que paga impostos e não comete crimes com mais fé nessas instituições. A expectativa agora é que o Judiciário não atrapalhe. Investigou-se, chegou-se à conclusão de quem mandou e quem executou as mortes dos professores Álvaro Henrique e Elisney Pereira, então, cadeia para a gangue até o julgamento.
Leia aí, abaixo, o que foi publicado em 2 de março pelo jornal A Tarde. A foto do secretário acusado é do Blog do George

 

Com faixas e cartazes, manifestantes pediram agilidade na prisão dos envolvidos (Foto: Joá Souza, Agência A Tarde)
Secretário de Governo de Porto Seguro é procurado pela Justiça por 2 assassinatos
VIOLÊNCIA

Edésio Dantas, ex-presidente do PSB e considerado o supersecretário de Porto Seguro

Edésio Dantas é apontado como mandante das mortes de dirigentes da APLB/Sindicato, executadas por PMs
Mário Bittencourt
Porto Seguro
Está foragido da Justiça o secretário de Governo e Comunicação de Porto Seguro (a 709 km de Salvador), no extremo sul da Bahia, Edésio Ferreira Lima Dantas, 44 anos. Ele e mais cinco pessoas – três policiais militares e dois funcionários da prefeitura local – estão sendo denunciados pelo Ministério Público Estadual (MP) e pela Polícia Civil como responsáveis pelo assassinato dos professores sindicalistas da APLB/Sindicato, Álvaro Henrique Santos, 28, e Elisney Pereira Santos, 31, em 17 de setembro do ano passado, em Porto Seguro.
Os mandados de prisão preventiva contra os denunciados foram expedidos no dia 9 de fevereiro deste ano, pelo juiz da Vara Crime de Porto Seguro, Roberto Costa Freitas Júnior. Porém, só se tornaram públicos na manhã de ontem, por meio do promotor público Dioneles Leone Santana Filho, que acompanha o caso. Ele disse que só tornou público que os mandados de prisão haviam sido expedidos porque os documentos, “estranhamente ainda não tinham sido cumpridos pela polícia”.
O promotor Dioneles Leone afirmou que enviou cópia dos mandados de prisão para o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do MP, mas disse não poder confirmar se a Secretaria da Segurança Pública teve conhecimento de que os mandados foram expedidos.
Cerca de 50 professores fecharam a BR-367, em frente a Delegacia de Porto Seguro (foto: Joá Souza, Agência A Tarde)
Ele afirmou que a PM e a Polícia Civil foram oficiadas por ele ontem.
O delegado Rodolfo Faro, coordenador em exercício da 23ª Corpin (Coordenaria de Polícia do Interior), em Eunápolis, informou que não tinha conhecimento da expedição dos mandados.
A Secretaria da Segurança Pública do Governo Jaques Wagner esclareceu, em nota, que a Polícia Civil só foi comunicada oficialmente ontem sobre os mandados de prisão contra os suspeitos das mortes dos professores.
O comandante do 8º Batalhão de Polícia Militar (BPM), coronel Carlos Maurício Nunes, informou, no início da noite de ontem, que apenas os três PMs acusados Sandoval Barbosa dos Santos, 37, Geraldo Silva de Almeida, 29, e Joilson Rodrigues Barbosa, 29 tinham se entregado no quartel do 8º BPM, onde ficarão presos e à disposição da Justiça. Os outros denunciados – e que também estão foragidos – são os funcionários públicos Antônio Andrade dos Santos Júnior, 22, e Danilo Costa Leite, 24.

Membros da APLB foram mortos após uma emboscada (Foto: Joá Souza, Agência A Tarde)

Prisões
O prefeito de Porto Seguro, Gilberto Pereira Abade (PSB), informou, por telefone, que só se manifestará sobre o assunto hoje, após obter cópia dos autos do processo. Já o advogado da prefeitura, Gutemberg Vieira, que acompanhou Edésio Lima em seu depoimento no dia 6 de janeiro deste ano na sede da 23ª Corpin, em Eunápolis, disse que não estava sabendo dos mandados.
Policiais foram ontem ao gabinete de Edésio Lima, no Centro de Convenções de Porto Seguro, para prendê-lo, mas não o encontraram.
O procurador da prefeitura, Glauco Tourinho, disse que o secretário tinha passado a manhã em seu gabinete e que tinha saído, momentos antes de a PM chegar, para resolver problemas da prefeitura.
O pagamento pela morte dos sindicalistas – a quantia ainda não foi descoberta – teria saído dos cofres da prefeitura, segundo o MP.
CRIMES ENVOLVENDO GESTORES PÚBLICOS
10/02/2007 – A então subsecretária da Saúde de Salvador, Aglaé Souza, é presa, apontada como mandante do homicídio do funcionário Neylton Souto da Silveira
05/03/2009 – O ex-comandante da PM, Coronel Jorge Santana, o ex-comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Sérgio Barbosa, e o coronel Jorge Silva Ramos, diretor da PM, são acusados de comandar um esquema de superfaturamento para compra de viaturas
24/01/2009 – O ex-diretor-executivo da Agerba, Antônio Lomanto Netto, e o ex-diretor-geral do órgão, Zilan Moura, são presos acusados de participação em esquema de fraudes para concessão de linhas em empresas intermunicipais.
Todos respondem processo em liberdade
Fonte: arquivo A TARDE

Um pensamento sobre “O crime contra os professores de Porto Seguro não vai ficar impune

  1. Pingback: paradoxus «

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s