Médico, escritor, cineasta, antropólogo Michael Crichton

Sempre fui fã do Michael Crichton, pela ousadia dele em transformar a própria vida. Poderia ser apenas um bom médico, mas resolveu conciliar a medicina com o talento de escrever, se destacou como escritor. Achou que ver seus livros transformados em filmes era pouco e resolveu ele mesmo ser cineasta. Dirigiu seis filmes, entre eles Westworld e Coma. Ainda cursou antropologia. Se dizia um eterno curioso.

 

Morreu o escritor americano Michael Crichton

 

 

Crichton ficou mais conhecido por Parque dos Dinossauros

Crichton ficou mais conhecido por Parque dos Dinossauros

LOS ANGELES, EUA (AFP) — O escritor americano Michael Crichton, um mestre do thriller americano, autor de, entre outros, Parque dos Dinossauros e Revelação, e que já vendeu mais de 100 milhões de livros em todo o mundo, morreu em Los Angeles, aos 66 anos, informou nesta quarta-feira seu site oficial.

 

“Michael Crichton travou uma corajosa batalha contra a doença”, diz a nota.

Embora nunca tenha exercido a medicina de fato, a experiência no hospital lhe serviu de matéria-prima para escrever a série televisiva Plantão Médico (E.R). Já exibida no Brasil pela Globo, a série foi capa da revista Newsweek e vencedora de oito prêmios Emmy (o Oscar da televisão), em 1995.

 

Médico, escritor e cineasta, Crichton nasceu em Chicago em 1942 e, aos 29 anos teve seu livro O Enigma de Andrômeda (The Andromeda Strain, 1971) adaptado para o cinema. Em 1972 já trabalhava como diretor ao fazer um filme para TV chamado Pursuit. Em 1973 dirigiria Westworld.

 

Em 1978 escreveu e dirigiu o filme Coma, baseado no livro de mesmo nome, de seu colega, o escritor Robin Cook, especialista em escrever livros de suspense envolvendo a área da medicina.

 

Sua carreira de diretor ainda inclui os filmes O Grande Roubo de Trem (The Great Train Robbery, 1970), com Sean Connery; Looker (1981); Fora de Controle (Runaway, 1984), com Tom Selleck e Physical Evidence (1989), com Burt Reynolds. Também escreveu roteiros para outros diretores, e viu outros de seus livros levados às telas por outros, como no caso, O Homem Terminal (The Terminal Man, 1974).

 

Na década de 90, com o assunto da clonagem em moda, escreveu um livro baseado em uma das muitas promessas da nova técnica: trazer animais extintos de volta à vida. O livro era Jurassic Park, filmado por Steven Spielberg que pediu ao escritor que fizesse o roteiro.

 

Jurassic Park tornou-se, então, o livro mais conhecido de Crichton, trazendo os dinossauros de volta à vida.

 

Um filme de Paul Verhoeven, baseado no livro de Crichton “Disclosure”, ganhou o título, aqui no Brasil, de Assédio Sexual, com Michael Douglas atuando ao lado de Demi Moor.

 

Crichton passou os primeiros anos de sua infância em Chicago até que a família mudou para Nova York onde, apenas com 14 anos, publicou o primeiro artigo em “The New York Times”.

 

Estudou Antropologia em Harvard até 1965, fazendo conferências nessa matéria aos 23 anos na Universidade de Cambridge, Inglaterra, onde ganhou uma bolsa que o levaria à Europa e à África do Norte durante um ano.

Ao regressar aos Estados Unidos começou os estudos de medicina também em Harvard, pagando a universidade com os romances de suspense que escrevia, sob diferentes pseudônimos.

Também no pop & arte / Literatura do g1

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s