Moisés e Alcir morreram. Quem gosta de futebol fica triste

Jorginho Carvoeiro; Zanata; Ademir; Roberto Dinamite e Luis Carlos.

Dois ícones do futebol brasileiro. Dois símbolos do Vasco da Gama. Menino, em Conquista, eu idolatrava Moisés e Alcir Portela. O fã incondicional ficava ainda mais ligado quando ouvia as locuções esportivas de Waldir Amaral e Jorge Cúri. Alcir nunca foi expulso. Moisés, ao contrário, dizia que “zagueiro que se preza não recebe o Troféu Belfort Duarte”. Em 26 de agosto, o zagueirão Moisés morreu. Três dias depois foi a vez de Alcir.

 30/08/2008 – 00h20 ( – GloboEsporte.com)

 Alcir Portela nunca foi expulso

Do blog Sou mais Vasco

Três dias depois da morte do ex-zagueiro Moisés, faleceu mais um titular do Vasco na conquista do Campeonato Brasileiro de 1974. Na noite desta sexta-feira, morreu no Rio de Janeiro o ex-meio-campista Alcir Portela, 64 anos, vítima de câncer de próstata.Nascido em 9 de maio de 1944, Alcir Pinto Portela Prates foi o terceiro jogador com maior número de partidas disputadas pelo Vasco – 508 jogos no período entre 1963 e 75. Além de capitão do time campeão nacional em 74, integrou a equipe que venceu o Campeonato Carioca de 70.

Após pendurar as chuteiras, permaneceu ligado ao clube de São Januário, sendo funcionário do departamento de futebol por mais de 20 anos. Alcir assumiu nove vezes o cargo de treinador de forma interina. A primeira em 1989 e a última em 2001, antes da contratação de Hélio dos Anjos. Mas Portela foi demitido em 2005 durante a gestão Eurico Miranda. E nunca escondeu a mágoa com o afastamento.

Em junho passado, ao ganhar as eleições para a presidência do Vasco, Roberto Dinamite dedicou a vitória ao ex-companheiro de clube, que lutava contra a doença há oito anos. Alcir era casado e pai de dois filhos.

O enterro foi realizado às 15h de sábado, 30/08, no cemitério São João Batista, em Botafogo (Zona Sul do Rio).

Dinamite lamenta morte de Alcir Portella

O presidente do Vasco, Roberto Dinamite, fala sobre Alcir Portella, que faleceu na noite desta sexta-feira, aos 64 anos, completados no dia 9 de maio. “É uma notícia realmente muito ruim para todos nós. O Alcir para mim é especial. É claro que para o Vasco também, para a história do Vasco. O Alcir foi o meu primeiro capitão dentro do meu primeiro título – campeão brasileiro com a camisa do Vasco. Era uma pessoa realmente muito especial. Ele foi importante no início da minha carreira. Foi uma pessoa que realmente me ajudou muito. É uma semana, até certo ponto, muito triste para nós, vascaínos. Perdemos dois companheiros.

Histórias do Xerife Moisés

Sex, 29 Ago, 02h49

Por Celso Unzelte

Moisés Mathias de Andrade, o Moisés, foi zagueiro de Vasco, Bonsucesso, Botafogo, Corinthians, Flamengo, Fluminense, Portuguesa (SP) e Bangu, entre o final da década de 1960 e o início da de 1980. Morreu aos 60 anos, na madrugada de terça, 26 de agosto.

Durante toda a carreira, Moisés cultivou a fama de zagueiro mau, violento, e o apelido de Xerife. Tudo começou em um Vasco x Botafogo, em 1971, em que ele, ainda emprestado pelo Botafogo ao Vasco, quebrou a perna de Jairzinho. “Eu não entrei para machucar, não faria isso nunca”, defendeu-se na época Moisés. “Ele é um cavalo dentro de campo e uma moça fora dele”, acusou Jair.

Com o tempo, Moisés tratou de capitalizar a fama de durão a seu favor. Costumava dizer coisas como “comigo atacante não tem colher-de-chá”, “dividiu a bola é minha”, “dentro de campo eu esqueço até que tenho mãe”. E principalmente a frase com que entrou para a história do futebol: “Zagueiro que se preza não ganha o Belfort Duarte”. Ele se referia ao tradicional prêmio conferido aos jogadores com dez anos de atividade sem expulsões.

Na Seleção Brasileira, Moisés chegou a fazer parte da lista dos 40 pré-selecionados para a Copa do Mundo de 1974, ano em que foi campeão brasileiro pelo Vasco. “Se me quiserem na Seleção, estou aqui, prontinho”, costumava avisar.

Acabaria realizando uma única partida com a camisa amarela,um amistoso contra a União Soviética, em Moscou. Vitória brasileira por 1 a 0, no dia 21 de junho de 1973.

Moisés foi campeão carioca em 1970 e brasileiro em 1974 pelo Vasco. No Rio, teve passagens também pelo Bonsucesso, Botafogo, Flamengo, Fluminense e Bangu, onde encerrou a carreira de jogador e começou a de técnico. Mas deixou sua marca também no Corinthians, onde foi campeão paulista em 1977, quebrando um jejum de 22 anos sem o título estadual.

Durante aquela campanha histórica, impôs respeito dentro de campo e também fora dele. Segundo suas próprias palavras, em depoimento dado a mim setembro do ano passado, Moisés precisou até dar uns “dois tapas de efeito moral” em um certo jornalista, que o acusou de estar fazendo corpo mole com a camisa corintiana.

Fora de campo, a paixão de Moisés era outro esporte, a pesca submarina. Gostava de contar que, certa vez, um tubarão “tirou o time de campo” ao perceber que sua possível vítima era o zagueirão… E foi por causa da saudade dessas pescarias semanais na Barra da Tijuca que Moisés forçou sua transferência para o Flamengo, em 1978.

Para convencer Vicente Matheus a liberá-lo, Moisés passou a ir todo os dias ao gabinete do presidente corintiano com roupa surrada e barba por fazer. Esfregou cebola nos olhos para chorar, gessou a perna, mostrou até papéis fajutos do INSS. E, afinal, conseguiu a liberação.

2 pensamentos sobre “Moisés e Alcir morreram. Quem gosta de futebol fica triste

  1. Esses dois gigantes são do tempo em que o futebol brasileiro tinha brilho próprio, não precisava de tanta publicidade. Que Deus os tenham em bom lugar.

    Curtir

  2. Posso dizer que vi um futebol mágico, vi o futebol brasileiro nos anos 70. Moisés e Alcir, mesmo para quem não é vascaíno, são representantes da época de ouro do futebol brasileiro.

    Curtir

Deixe uma resposta para Mário Dias Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s